Document details

Integração das variáveis de natureza social na avaliação do risco de incêndio f...

Author(s): Rodrigues, Marisa Mariete Teixeira cv logo 1

Date: 2009

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10198/1230

Origin: Biblioteca Digital do IPB

Subject(s): Risco de incêndio; Componente social; Modelos de previsão de incêndio; Fire risk; Fire management; Social component; Predictive fire models


Description
Em todo o Mundo o Risco de Incêndio Florestal é quantificado. Em Portugal existem dois modelos postos em prática, o FWI (Fire Weather Index), adoptado pelo Instituto de Meteorologia e o Modelo do Instituto Geográfico Português. O primeiro é obtido através de variáveis meteorológicas e é calculado a curto prazo. O segundo, com previsões a longo prazo, além das condições meteorológicas, considera também factores biofísicos, como a topografia, a vegetação e a densidade populacional. Nestes modelos de previsão não foi ainda integrado de forma efectiva a dimensão social, na qual resulta a percepção das pessoas acerca do risco de incêndio. A população actua directamente no risco de incêndio com as suas acções, tanto na ignição, como no combate aos fogos florestais. Este trabalho teve como objectivo avaliar essa dimensão e comparar com modelos de previsão de risco de incêndio. Os dados obtidos, ainda que preliminares, apontam para uma ordenação dos riscos de incêndio associados aos diferentes usos da terra diferente daquela que é utilizada nos modelos de avaliação de risco para os concelhos de Trás-os-Montes. No que respeita ao tipo de propriedade do solo, os dados apontam para as propriedades colectivas (baldios) com tendo maior risco de incêndio. Por fim, na forma como os diferentes agentes sociais se relacionam com o uso do território, os dados sugerem a inclusão de novas variáveis de estudo, tais como, o regime de caça e as zonas de pastoreio, na avaliação do risco. Todos estes factos, só por si, aconselham a que se aprofundem os estudos sociais dos riscos de incêndio. Modelos de previsão de incêndio. Throughout the world the forest fire risk is quantified. In Portugal there are two models in place, the FWI (Fire Weather Index) adopted by the Instituto de Meteorologia and the Instituto Geográfico Português Model. The first model is obtained by means of meteorological variables and is calculated in the short term. The second model, in addition to the weather, it also considers biophysical factors, such as topography, vegetation, population density, which is calculated for long term. However in these predicting models, the social dimension has not been integrated, from which people’s perception about fire risk may be the evaluated. The population acts directly on the fire risk with their actions both the ignition and the fight against forest fires. The aim of this research was to evaluate the social dimension and to compare it with other models of fire risk. The obtained data, although preliminary, indicate a different ordering of the associated fire risks with different uses of land, from those used in models of risk assessment for the region of Trás-os-Montes. Regarding the type of ownership of the land, the data point to the collective properties as having greater risk of fire. Finally, in the relation of social agents with the use of the territory, the data suggest the inclusion of new variables of study in risk assessment such as the hunting system and the areas of grazing. All these facts alone suggest deeper social studies on fire risk assessment.
Document Type Master Thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Rodrigues, Orlando
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia