Document details

Educação para a saúde e estudantes: as fontes e o impacto da informação

Author(s): Gaspar, Pedro João Soares cv logo 1

Date: 2006

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.8/99

Origin: IC-online

Subject(s): Educação para a saúde; Fontes de informação; Estudante; Comportamento; Impacto auto-percepcionado


Description
Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro para obtenção do grau de Mestre em Comunicação e Educação em Ciência, orientada por Anabela Maria Sousa Pereira e Maria dos Anjos Dixe. Capacitar os indivíduos para identificarem os seus problemas e necessidades, utilizarem adequadamente os seus recursos, e promoverem uma vida saudável, implica esforços conjuntos dos vários agentes da promoção da saúde. A forma como os jovens acedem à informação de saúde, e o impacto que esta tem nas suas práticas e comportamentos constitui uma questão de interesse fulcral neste grupo, onde não se verificou diminuição na mortalidade e morbilidade nos últimos anos. O objectivo deste estudo quantitativo, correlacional, transversal, foi averiguar as fontes de informação de saúde, o impacto auto-percepcionado da informação de saúde e a sua relação com alguns comportamentos (rodoviários, sexuais, alimentares, actividade física, sono, alcool, tabaco, drogas) em 1166 jovens de ambos os sexos, dos ensinos secundário e superior que responderam a um questionário construído para o efeito. A análise dos resultados revelou que: a) os estudantes auto-percepcionam de forma positiva o impacto da informação de saúde; b) os pares, a informação audiovisual e a família são as fontes de informação de saúde mais reconhecidas pelos estudantes, e a escola e a comunidade em sentido lato são as menos reconhecidas; c) quanto mais positivo é o impacto da informação de saúde auto-percepcionado pelos estudantes, maior é o reconhecimento das fontes de informação de saúde; d) o reconhecimento das fontes de informação de saúde correlaciona-se positivamente, e de forma estatisticamente significativa, com práticas e comportamentos sexuais, alimentares, rodoviários, de actividade física e de fumo de substâncias mais salutogénicos; e) a auto-percepção do impacto da informação de saúde correlaciona-se de forma positiva e estatisticamente significativa com todas as práticas e comportamentos determinantes de saúde estudados, à excepção do fumo de substâncias; f) existem diferenças em função do sexo, escalão etário, local de residência, nível de ensino e frequência de actividades relacionadas com a saúde na escola, no reconhecimento das fontes de informação de saúde, na auto-percepção do impacto dessa informação e nas práticas e comportamentos. Os resultados realçam a importância de serem tomadas em consideração estas diferenças na escolha das melhores estratégias para a divulgação da informação, incrementação de níveis mais elevados de literacia em saúde e criação de grupos de trabalho motivantes e efectivos nos desígnios da promoção da saúde.
Document Type Master Thesis
Language Portuguese
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia