Document details

Transformações induzidas por longos períodos de moagem sob vácuo em ligas FeCr ...

Author(s): Loureiro, João Carlos de Matos cv logo 1

Date: 2008

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10316/12312

Origin: Estudo Geral - Universidade de Coimbra

Subject(s): Ligas de Fr-Cr--amorfização; Ligas de Fe-Cr--difracção de raios X; Ligas de Fe-Cr--espectroscopia de Mössbaue; Ligas de Fr-Cr--moagem; Ligas de ferro-cromio; Ligas de Fr-Cr equiatómicas


Description
Neste trabalho, procedeu-se ao estudo do efeito da moagem de alta energia sob vácuo em ligas de Fe-Cr aproximadamente equiatómicas nas fases σ e a. Uma vez que este vem na continuidade de um estudo semelhante para ligas de Fe-Cr equiatómicas na fase σ sob uma atmosfera de árgon, procedeu-se também ao estudo de uma liga de Fe-Cr equiatómica na fase a sob uma atmosfera de árgon, de modo a ser possível uma confrontação de resultados mais abrangente. Para o efeito, as amostras foram processadas num moinho do tipo contentor vibrante, Fritsch P0 ball mill. A composição das ligas foi determinada por microssonda electrónica. A monitorização do estado destas ligas nos vários estágios de moagem foi efectuada com recurso às técnicas de difracção de raios X e espectroscopia de Mössbauer, tendo sido, todavia, atribuído um maior destaque a esta última, devido às particularidades deste tipo de ligas. Para a liga Fe-Cr na fase σ, foi ainda possível efectuar análises de magnetização. Em alguns estágios de moagem, considerados mais relevantes, procedeu-se ao recozimento das ligas às temperaturas sugeridas por análise de calorimetria diferencial. Posteriormente a estes recozimentos, as ligas processadas foram novamente analisadas por difracção de raios X e espectroscopia de Mössbauer. Para além dos capítulos referentes aos resultados e conclusões, são feitas exposições sobre cada uma das técnicas utilizadas, com uma extensão que se julgou necessária de modo a uma compreensão efectiva dos conceitos manipulados. Concluiu-se que ligas de FeCr na fase a ou σ, moídas em vazio ou não, são conduzidas à amorfização. Assim, verificou-se que a amorfização resultante do processo de moagem é intrínseca, porém, presença de oxigénio torna-a muito mais rápida. A fase σ, por sua vez, também amorfiza muito mais rapidamente que a fase a. Nas ligas moídas a partir da fase σ, verifica-se que antes da amorfização esta fase transforma-se primeiro na fase a. As temperaturas de cristalização foram determinadas por calorimetria, verificando-se haver uma decomposição spinodal depois da cristalização
Document Type Master Thesis
Language Portuguese
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

Related documents

No related documents

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia