Document details

Ansiedade face à morte em idosos: Influência de variáveis sócio-demográficas e ...

Author(s): Santos, Joana Cardo Pinto da Costa Alves dos cv logo 1

Date: 2005

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.12/895

Origin: Repositório do ISPA - Instituto Universitário

Subject(s): Psicologia clínica; Bem-estar; Ansiedade perante a morte; Instrumentos; Depressão; Perturbações afectivas; Envelhecimento; Idoso; Clinical psychology; Well-being; Death anxiety; Instruments; Depression; Affective disorders; Aging; Old age


Description
Dissertação em Psicopatologia e Psicologia Clínica A partir de temas como, envelhecimento, sucesso no envelhecimento, bem-estar subjectivo e ansiedade face à morte, foi possível a criação de um modelo preditor de ansiedade face à morte em idosos (MPAMI). Pretendeu-se estudar a influência da idade (3a idade vs 4a idades), do género, da religião, da institucionalização e do bem-estar subjectivo sobre a ansiedade face à morte. A amostra foi constituída por 145 idosos, residentes no distrito de Lisboa (amostragem de conveniência), com idades compreendidas entre os 65 e 98 anos (M= 76). Foram utilizados a PANAS (Positive and Negative Affect Schedule - PANAS; Watson, Clark & Tellegen, 1988), a Revised Philadelphia Geriatric Center Morale Scale (R-PGCMS; Lawton, 1975; Paul, 1991; Costa, Diniz & Barrambana, 2004) e o Death Anxiety Questionnaire (DAQ; Conte, Weiner & Plutchik, 1982; Barros, 1998; Santos, Diniz & Costa, 2004). O primeiro estudo deste trabalho consistiu na validação do modelo que define a estrutura factorial da PANAS, recorrendo à análise factorial confirmatória. O segundo, consistiu em testar o MPAMI, recorrendo à análise de trajectórias (path analysis). Verificámos que os modelos estavam bem ajustados aos dados empíricos. Como principais resultados do teste do MPAMI salienta-se que o facto do corte etário considerado (80 anos de idade ou mais vs. menos de 80 anos) não se ter mostrado relevante para a generalidade dos critérios do modelo. No entanto, o ser mulher e o não estar casado foram factores que predisseram uma maior vulnerabilidade nalgumas variáveis do bem-estar subjectivo e também da ansiedade face à morte. A institucionalização apareceu como um factor de risco, contribuindo para uma diminuição da vivência de afectos positivos e para uma pior atitude face ao próprio processo de envelhecimento. A influência da religião revelou-se paradoxal; da mesma forma que ser católico suscita níveis mais altos de bem-estar subjectivo, também suscita maiores níveis de preocupação com a solidão na hora da morte. Por fim, a ansiedade face à morte foi menor quando existia uma atitude mais favorável face ao envelhecimento.
Document Type Master Thesis
Language Portuguese
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia