Document details

A comunidade chinesa imigrante em Portugal e os cuidados de saúde : um estudo n...

Author(s): Pereira, Maria Adelaide Duarte Abreu cv logo 1

Date: 2009

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.2/1344

Origin: Repositório Aberto da Universidade Aberta

Subject(s): Sociologia da saúde; Comunicação em saúde; Comunicação intercultural; Sociologia das migrações; Imigração; Chineses; Identidade cultural; Pessoal de saúde; Cuidar; Health care; Chinese culture; Chinese community in Portugal; Professionals of health and chinese users; Health communication and multiculturalism


Description
Dissertação de Mestrado em Comunicação em Saúde apresentada à Universidade Aberta A investigação teve como principal objectivo compreender as dificuldades que os profissionais de saúde encontram no atendimento aos utentes pertencentes à comunidade chinesa. Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem qualitativa, com recurso a diversos meios de colheita de dados: realização de consulta de arquivos de processos clínicos relativos a cinco anos de atendimento a indivíduos da população chinesa no Hospital D. Estefânia (2002-2006), Hospital Público que acolhe crianças e mães; realização de entrevistas semi-estruturadas a profissionais de saúde; uma historia de vida de uma mãe chinesa; uma entrevista a uma ama de criança chinesa. Neste estudo é abordado ainda o fenómeno da imigração, nomeadamente da população chinesa imigrante em Portugal e a problemática da comunicação intercultural e os cuidados de saúde. Através dos resultados da pesquisa dos processos clínicos, conclui-se que a população chinesa recorre sobretudo ao Serviço de Urgência, tendo vindo a aumentar esse número ao longo dos cinco anos estudados. Relativamente às crianças, recorrem pelas patologias próprias da idade, em situações que não conseguem resolver em casa, com a particularidade que durante este período, apenas há referência de uma situação de doença grave. A análise destes resultados comprova que os profissionais de saúde têm dificuldades na comunicação com a população chinesa. Estas dificuldades impedem que haja empatia, dificultando o estabelecimento de um clima de confiança na relação terapêutica. Os profissionais de saúde revelam preocupação em se fazerem entender, para o que foi criado um “Guia de Atendimento em Mandarim”, no Serviço de Urgência e na Maternidade. Constatou-se que em alguns profissionais de saúde ainda há alguma resistência em aceitar as diferenças culturais existentes na população que acorre ao hospital, nomeadamente a chinesa. Da análise dos resultados dos processos clínicos e das entrevistas destaca-se que na Maternidade as dificuldades na comunicação têm efeitos negativos mais marcados, havendo registo de dificuldade em conseguir adesão ao plano terapêutico, desencadeando situações de stress e angústia durante e após o parto. Também numa situação de doença grave em que há necessidade de cuidar em parceria com a família, esclarecimento constante da evolução da doença e de consentimento informado para as intervenções terapêuticas frequentes, a dificuldade na comunicação com esta população, desencadeia momentos de grande stress e angústia 12 por parte do utente/doente/família e nos próprios profissionais de saúde. A análise da entrevista a uma mulher chinesa, reflecte algumas das problemáticas encontradas pelos profissionais de saúde no atendimento a esta população, aponta ainda para os motivos da emigração da população chinesa, o nível de integração na sociedade de acolhimento e as mudanças desencadeadas nos costumes e rituais que mantêm da sua cultura de origem. The comprehension of the difficulties health care professionals face while placed in attendance of Chinese population is the main objective of this article. All studies used to support the basis of this article are of a qualitative nature, based on consultation of medical records and archives pertaining to attendance and treatment of individuals of the Chinese nationality in Hospital D. Estefânia (2002-2006), a children and mother receiver Public Hospital; analysis of the data resulting from half-structuralized interviews administered to health care professionals, one Chinese family’s history, and an interview with a Chinese child’s nanny. In this study migration, immigration, and principally the immigration of Chinese population into Portugal and the problems associated with, and involving communication with these immigrants and the effects on Health care services. Through the analysis of archived medical records, it has been verified that the Chinese population uses the Portuguese Emergency medical attendance, having come to increase the number of cases registered throughout the five year course which was under study. In matter of children, they tend to resort to this sort of medical attendance mainly to deal with pathologies which arise commonly with age and only after the situations could not be treated effectively at home first. It is important to also mention that that during the period under analysis, there is only one reference of serious illness. The examination of these results proves that the health care professionals have difficulty in communicating with the Chinese population. This difficulty hinders the creation of empathy, making it difficult to establish trust in the therapeutically relationship between professionals and the individuals. Health care professionals disclose concern over their inability to properly communicate, as a result a “Guide of Attendance in Mandarin” placed in the Emergency medical attendance and the Maternity was created. It is relevant to mention that some professionals still demonstrate some resistance in accepting the existence of cultural differences in the population that need medical help within the hospital. After observing the results of the medical records and the interviews the center most affected is identified as being the Maternity since the difficulties in communication have more of a negative effect on therapy, unchaining situations of stress and distress during and after the childbirth since the plans established for successful recovery and treatment are not well transmitted. 14 Also in a situation of serious illness where it is necessary to administer care with the aid of the family, constant clarification of the evolution of the illness and consent by the family for the frequent therapeutically interventions, the difficulties in communicating with the population, unchains moments of great stress and anguish in the patient, the family and even, and especially, in the health care professionals. In an interview with a Chinese woman, some of problems health care professionals face in attending to this population are restated, while some of the reasons for the emigration of the Chinese population are put into light, the level of culterization in the shelter society and the changes unchained in the customs and rituals these people bring form their culture of origin while living in Portugal.
Document Type Master Thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Ramos, Natália
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia