Document details

Language anxiety in English teachers during their teaching practice

Author(s): Daubney, Mark cv logo 1

Date: 2010

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10773/3720

Origin: RIA - Repositório Institucional da Universidade de Aveiro

Subject(s): Formação de professores; Professores estagiários; Professores de línguas: Língua inglesa; Prática pedagógica; Avaliação de professores; Competência linguística


Description
Este estudo explora a influência da ansiedade linguística em futuros professores de Inglês em situação de prática pedagógica. Setting the Scene descreve o aumento de interesse pela ansiedade linguística por parte dos investigadores no contexto da aprendizagem e do ensino, e a relevância desta questão para professores estagiários fazendo a transição de aluno para professor. O autor também considera a sua própria experiência de ansiedade – enquanto estudante e investigador – de modo a gerar um maior entendimento desta emoção complexa. O Capítulo 1 da Parte 1 descreve como o afecto na aprendizagem e na investigação da língua tem vindo a ser um factor preponderante no interesse mais alargado sobre as emoções em contextos educacionais. A recente influência da teoria social na aquisição de uma segunda língua e como esta pode ajudar a repensar a investigação das emoções é discutida antes do final do capítulo, onde se examina ainda como as emoções são expressas na comunicação e interacção. O Capítulo 2 concentra-se na ansiedade na aprendizagem da língua e em como o peso da noção em contexto social alargado tem provavelmente influenciado uma abordagem dominantemente de cariz positivista na investigação sobre a ansiedade linguística. Controvérsias e variáveis da personalidade relacionadas com a ansiedade linguística são discutidas, considerando-se a possibilidade de novas direcções para a investigação. A prática pedagógica é vista como um campo fértil de investigação sobre a ansiedade linguística em estagiários, com estilos de supervisão e discursos – nomeadamente estratégias de delicadeza e de mitigação – sendo considerados influências importantes na experiência desta emoção. O Capítulo 3 da Parte 2 detalha a abordagem etnográfica e etnometodológica do estudo e o procedimento de investigação em si. Os dados foram recolhidos em três momentos distintos. Primeiro, através de inquéritos aplicados aos estagiários antes do começo do estágio. Numa segunda fase, durante o estágio, os dados principais foram recolhidos através das aulas e duma entrevista semi-estruturada com os estagiários, ambas vídeo gravadas, e dos encontros de pós-observação áudio-gravados. Os dados subsidiários recolhidos nesta mesma fase incluem reflexões escritas e dossiers dos estagiários, observações escritas das aulas do investigador e o relatório intercalar dos professores supervisor e cooperante. Na última fase, posterior às aulas, a recolha dos dados principais foi realizada através de uma vídeo gravação da reunião de avaliação final com todos os participantes e de stimulated recall protocols com cada professor estagiário. O Capítulo 4 é predominantemente uma análise qualitativa de discurso, utilizando categorias de análise para identificar sinais de ansiedade emergentes dos dados. Os resultados mostram que um dos estagiários pode ser caracterizado como tendo uma experiência de ansiedade mais debilitadora, outro uma ansiedade mais facilitadora, enquanto a experiência do terceiro é menos pronunciada e mais difícil de caracterizar. Sinais e fontes múltiplos e complexos de ansiedade foram identificados mas as próprias autoimagens dos sujeitos como professores de Inglês, construídas em interacção ao longo do estágio, estão no centro desta experiência emocional. O Capítulo 5 considera as implicações e as conclusões deste estudo. São dadas indicações para a relação estagiário-supervisor e quanto aos estilos do supervisor no quadro da prática pedagógica assim como sugestões para que a ansiedade linguística seja explicitamente abordada na formação em supervisão. Finalmente, é ponderada se a experiência da ansiedade linguística destas estagiárias e as suas fontes têm ou não implicações na formação dos alunos de línguas. This study explores the influence of language anxiety on three pre-service teachers of English during their teaching practice. Setting the Scene describes the rise of interest in language anxiety for researchers working in language learning and teaching contexts, and its relevance to trainees making the transition from student to qualified teacher. The author reflects on his own experience of anxiety – both as a language learner and researcher – in order to shed greater light on this complex emotion and the motivation for researching it. Chapter 1 of Part 1 relates how affect in language learning and research has become an established consideration within a broader interest in emotions in educational contexts. The recent influence of social theory on second language acquisition and how it can help to rethink the research of emotions is discussed before the final part of the chapter looks at how emotions are expressed in communication and interaction. Chapter 2 focuses on anxiety in language learning, and how the powerful notion of anxiety in our society has likely influenced a dominant, positivist approach to researching language anxiety. Controversies and personality variables related to language anxiety are considered, and possible new directions for research considered. The language teaching practicum is seen as fertile ground for researching language anxiety in the trainees, with supervisor styles and discourse - namely politeness and mitigation strategies - being considered important influences on the trainees’ experience of this emotion. Chapter 3 of Part 2 details the ethnographic and ethnomethodological approach of data collection and the research procedure itself. Data was collected in three distinct phases: first, through questionnaires applied to the trainees before the teaching practice; next, during the teaching practice itself, the main data were collected through video recorded lessons, a video recorded semi-structured interview with the trainees, and audio recorded post-observation conferences whilst secondary data consisted of the researcher‘s written observations on the lessons, trainees’ written reflections and teaching files, and the supervising and cooperating teacher’s mid-term report. The last research phase saw the main data collected through a video recorded final assessment meeting with all the participants and, finally, stimulated recall protocols with each trainee. Chapter 4 is largely a qualitative analysis of discourse, using categories of analysis to identify signs and sources of anxiety emerging from the data. One trainee can be characterised as experiencing a debilitating anxiety, another facilitating anxiety, whilst the third trainee’s experience is much less pronounced and difficult to characterise. Multiple and complex signs and sources of anxiety were identified but the images of themselves as English teachers, jointly constructed in interaction, were at the core of the trainees’ emotional experience. Chapter 5 discusses the implications and the conclusions of the study. Indications for supervisor-trainee relationships and supervisor styles within the context of the practicum are put forward as are suggestions to make language anxiety an explicit consideration on supervisory courses. Finally, the experience and the sources of the trainees’ language anxiety and the possible implications these may have for pupils/students in their language classes are briefly considered. Doutoramento em Didáctica
Document Type Doctoral Thesis
Language English
Advisor(s) Araújo e Sá, M. H.
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo