Detalhes do Documento

Das políticas educativas aos seus modos de apropriação : a relação escola/comunidade no contexto da "autonomia"

Autor(es): Batista, Susana Paiva Moreira cv logo 1

Data: 2010

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10362/5683

Origem: Repositório Institucional da UNL

Assunto(s): descentralização; autonomia; escola/ comunidade; capital social; projecto educativo


Descrição
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em SociologiaEm Portugal, as recentes tendências das políticas educativas apontam para uma alteração do modo de regulação do ensino, da concepção de educação e das definições normativas de algumas relações entre intervenientes escolares. Com efeito, as medidas de descentralização e autonomia contrastam com a concepção de “Estado Educador” e a ideia de uma escola pública como extensão da administração central do modelo anteriormente em vigor. A reflexão sobre estas alterações, os seus significados e implicações constituiuse como o eixo norteador deste trabalho, sendo que esse exercício se realizou tendo por referência a Lei de Bases do Sistema Educativo (1986) e a chamada “reforma” que daí decorreu: tratou-se, no fundo, de entender até que ponto tais orientações reflectem uma alteração profunda do modo de ver a escola, sabendo que além de alterarem normativamente alguns papéis dos intervenientes escolares, elas traçam o quadro de constrangimentos e possibilidades das escolas e dos seus actores. Esse enquadramento jurídico-normativo apela nomeadamente a um modelo de organização escolar inserido e construído de acordo com o contexto local em que se inscreve. Com efeito, os documentos legais atribuíram à escola o dever e responsabilidade de se relacionar com mais intensidade e proximidade com a comunidade circundante (enquanto conjunto de instituições, entidades e recursos do meio local), tanto na identificação e partilha de objectivos e valores comuns, como na mobilização estratégica de recursos para colmatar insuficiências ou potenciar oportunidades oferecidas pelo meio. A relação escola/ comunidade constituiu assim o nosso enfoque particular no âmbito das alterações introduzidas pela “reforma educativa”. Mais precisamente, optámos por centrar o nosso ponto de vista nas representações e práticas de professores e directores escolares no que diz respeito à sua relação com a comunidade, tendo por objecto trinta e cinco agrupamentos ou escolas de cinco Concelhos do país que integram o Projecto ESCXEL – Rede de Escolas de Excelência. Reconhecendo a importância deste nível de análise meso nas análises sociológicas, procurámos abordar esta problemática recorrendo ao conceito de capital social. Isto porque considerámos importante não só a identificação das representações e práticas desses actores, como também a aferição da utilidade e sentido dessas ligações com a comunidade. Equacionada nestes termos, esta questão encontra no conceito acima referido uma ferramenta de grande utilidade para a sua compreensão e explicação, nomeadamente se considerarmos os contributos da perspectiva das redes sociais, que focam a instrumentalidade, a capacidade de mobilização e apropriação dos recursos inerentes a uma rede de relações sociais.
Tipo de Documento Dissertação de Mestrado
Idioma Português
Orientador(es) Justino, José David
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

Documentos Relacionados