Document details

Cinema e jornalismo: o jornalista no cinema brasileiro

Author(s): Lisandro Nogueira

Date: 2003

Origin: OASIS br

Subject(s): CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS; Jornalismo e cinema; Representacao do jornalista; Personagens-jornalistas; Linguagem cinematografica


Description
A representação do jornalista no cinema brasileiro constitui o objeto desta pesquisa. O recorte visa investigar a representação do jornalista nos filmes Boca de ouro (1962), de Nelson Pereira do Santos; O desafio (1965), de Paulo Cesar Saraceni; Brasil Ano 2000 (1969), de Walter Lima Júnior; Lúcio Flávio, O passageiro da agonia (1977), de Hector Babenco; Doces poderes (1996), de Lúcia Murat e Um céu de estrelas (1996), de Tata Amaral. No século passado, na década de 20, os americanos formataram os primeiros filmes em que a representação do jornalista aparecia com destaque. Na década de 50, os newspaper movies firmaram-se um novo gênero cinematográfico. No Brasil, o "filme de jornalista" destaca-se na década de 60, quando alguns cineastas do Cinema Novo empenham-se na representação das discussões nacionais e dirigem suas câmeras para o campo jornalístico. A análise da linguagem cinematográfica entrecruzada com o contexto sócio-histórico, sustenta a investigação, que se desenvolve em duas vertentes: a "objetividade jornalística" e a perda da hegemonia do jornalismo. Na primeira, investiga-se como a objetividade é representada pelos personagens-jornalistas; na segunda, observa-se a trajetória da nova divisão de poderes no âmbito da comunicação em face da emergênciade influentes campos, como a publicidade, o marketing e as relações públicas, e suas conseqüências para o espaço de opinião e autonomia ocupado pelo campo jornalístico. Os filmes analisados são da década de 60, 70 e 90 The representation of the jouma1ist in the Brazilian cinema is the theme of this research. It aims at investigating the representation ofthe joumalist in the movies Boca de ouro (1962), by Nelson Pereira do Santos; O desafio (1965), by Paulo Cesar Saraceni; Brasil ano 2000 (1969), by Walter Lima Júnior; Lúcio Flávio, o passageiro da agonia (1977), by Hector Babenco; Doces poderes (1996), by Lúcia Murat; and Um céu de estrelas (1996), by Tata Amaral. ln the 1920s, the Americans made the first movies in which the representation of the joumalist was hig hlighted. In the 1950s, the newspaper movies were consolidatedas a new cinematographic geme. In Brazil, this type of movie stands out in the 1960s, when some directors of "Cinema Novo" engaged themselves in the representation of national discussions and directed their cameras towards the joumalistic field. The analysis of the cinematographic language intersected with the social, historical context supports this study, which is developed according to two approaches: the "joumalistic objectivity" and the loss of the joumalism hegemony. ln the first, it is investigated how the objectivity is represented by the joumalist-characters; in the second, it is observed the trajectory of the new power division vis-à-vis the emergence of influential areas, such as publicity, marketing and public relations, and its consequences for the space of opinion and autonomy occupied by the joumalistic fie1d. The films analyzed are from the 1960s, 1970s and 1990s
Document Type Other
Editor(s) Silvia Helena Simões Borelli
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo