Detalhes do Documento

Qualidade de vida e estratégias de coping em doentes oncológicos e qualidade de...

Autor(es): Silva, Ana Rita Caldeira da cv logo 1

Data: 2011

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10451/5008

Origem: Repositório da Universidade de Lisboa

Assunto(s): Qualidade de vida - doentes crónicos; Estratégias de coping; Doentes oncológicos; Cuidados a doentes terminais; Teses de mestrado - 2011


Descrição
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica da Saúde e da Doença), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2011 Este estudo tem como objectivo conhecer o padrão de Qualidade de Vida e de Distress Emocional em Doentes Oncológicos (N=63), bem como a associação entre a sua Qualidade de Vida e as Estratégias de Coping utilizadas. Este estudo pretende também conhecer o padrão de Qualidade de Vida e de Distress Emocional de Cuidadores Informais de Doentes Oncológicos (N=30). Para tal, foram utilizados como instrumentos o FACT-G - versão 4 (Functional Assessment of Chronic Illness Therapy Measurement System; Arnold, Eremenco, Cella, Pais-Ribeiro e Doro, 2000), o Termómetro de Distress (Bacalhau, 2004), a EQdVCFO (Escala de Qualidade de Vida do Cuidador/Familiar Oncológico; Santos, Pais-Ribeiro e Lopes, 2003) e o CHIP (Coping with Health Injuries and Problems Scale; Endler, Parker e Summerfeldt, 1998). Os resultados obtidos revelam que a Qualidade de Vida dos Doentes Oncológicos apresenta-se num nível razoável, tendo como dimensões mais comprometidas o Bem-Estar Funcional e o Bem-Estar Físico, e ainda níveis de Distress tendencialmente elevados, na maioria dos casos. As dimensões Bem-Estar Físico, Bem-Estar Emocional e Bem-Estar Funcional e as estratégias de Coping Paliativo e Emocional revelam uma relação negativa. No que diz respeito à Qualidade de Vida dos Cuidadores Informais, é visível um nível razoável, estando mais comprometidas as dimensões Implicações Pessoais do Cuidado e Sobrecarga Emocional. Foi também possível identificar níveis de Distress significativos, na maioria dos casos. Neste sentido, mostra-se imperativo intervir ao nível das necessidades do doente, mas também do cuidador, que desempenha um papel fulcral durante o processo oncológico. This study aims to understand the Quality of Life and the Emotional Distress of Cancer Patients (N=63) and what it is the association between Quality of Life and the Coping Strategies used. This study also want to understand the Quality of Life and the Emotional Distress of Informal Caregivers of Cancer Patients (N=30). For this, were used as instruments the FACT-G – version 4 (Functional Assessment of Chronic Illness Therapy Measurement System; Arnold, Eremenco, Cella, Pais-Ribeiro, & Doro, 2000), the Distress Thermometer (Bacalhau, 2004), the EQdVCFO (Quality of Life Caregiver/Family of Cancer Patient Scale; Santos, Pais-Ribeiro, & Lopes, 2003) and the CHIP (Coping with Health Injuries and Problems Scale; Endler, Parker, & Summerfeldt, 1998). The results show that Quality of Life of Cancer Patients appears to be at a reasonable level, with the Functional Well-Being and the Physical Well-Being as the most affected dimensions, and also high levels of Distress associated, in most of cases. The Physical Well-Being, the Emotional Well-Being and the Functional Well-Being and Palliative and Emotional Coping Strategies show a negative relationship. Quality of Life of Informal Caregivers show to be also at a reasonable level, with the Personal Implications of Care and Emotional Overload as the most affected dimensions. Informal Caregivers also show significant levels of Distress, in most of cases. Thus it seems imperative to intervene on the patients´ needs and also caregivers´, who have a central role during illness process.
Tipo de Documento Dissertação de Mestrado
Idioma Português
Orientador(es) Fradique, Fernando Carlos Sepúlveda Afonso, 1957-
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

Documentos Relacionados