Detalhes do Documento

Análise de polimorfismo no gene CTLA-4 em pacientes com paracoccidioidomicose

Autor(es): Lozano, Viviane Furlan

Data: 2008

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10482/3528

Origem: OASIS br

Assunto(s): Genética molecular; Fungos


Descrição
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2008. A proteína CTLA-4 é expressa principalmente em células T ativadas, possuindo um papel fundamental na resposta imune, exercendo efeito regulador na ativação de célula T através da sua ligação com as moléculas da família B7, as quais são expressas em células apresentadoras de antígenos. Polimorfismos no gene CTLA-4 têm sido associados a várias doenças autoimunes e, recentemente, à doenças neoplásicas e infecciosas. A paracoccidioidomicose é uma micose sistêmica, causada pelo fungo dimórfico Paracoccidioides brasiliensis. As manifestações clínicas desta doença estão associadas a vários fatores como a secreção alterada de citocinas, hipergamaglobulinemia, e depressão da imunidade celular, sendo que a hiporesponsividade é também atribuída a uma maior expressão de CTLA-4 em células T de pacientes quando comparados a indivíduos controles. O presente trabalho teve por objetivo estudar a possível associação dos SNPs -318C/T na região promotora e +49A/G do éxon 1 do gene CTLA-4 com a PCM. Para isso, 74 pacientes com PCM e 76 indivíduos controles provenientes de regiões distintas do País tiveram suas freqüências alélicas e genotípicas determinadas. A comparação das freqüências genotípicas e alélicas, entre os grupos pacientes e controles, não mostrou diferenças significativas que pudessem associar o polimorfismo dos SNPs -318 e +49 do gene CTLA-4 com a PCM. A análise dos resultados referentes às freqüências haplotípicas obtidas mostrou que existe um forte desequilíbrio de ligação (D'=1) entre os SNPs -318 e +49 para os dois grupos estudados. Porém, a análise realizada não revelou diferenças significativas entre as freqüências haplotípicas dos grupos. Outro ponto importante analisado foi o estudo da estrutura genética (ancestralidade) dos grupos de pacientes e controles. Verificou-se que há predomínio de ancestralidade européia sobre as ancestralidades ameríndia e africana em ambos os grupos. Através desses resultados foi possível determinar que a população utilizada no estudo é geneticamente homogênea, e que o resultado negativo da associação detectado para o gene CTLA-4 e a PCM não está relacionado a ancestralidade da amostragem. Este trabalho demonstra que não foi observada nenhuma associação entre o polimorfismo dos SNPs -318 e +49 do gene CTLA-4 com a resistência e/ou susceptibilidade à Paracoccidioidomicose.
Tipo de Documento Outro
Editor(es) Felipe, Maria Sueli Soares
delicious logo  facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
degois logo
mendeley logo

    Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia