Document details

A participação ativa do pai como estratégia para a humanização do parto

Author(s): Martins, Maria de Lurdes

Date: 2012

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.26/15725

Origin: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

Subject(s): Trabalho de parto; Pai; Parto humanizado; Parto; Relações pai-filho; Saúde materna


Description

O direito da mulher ter um acompanhante durante o trabalho de parto é reconhecido legalmente em Portugal pelo decreto-lei nº 14/85 de 6 de Julho e incentivado pela OMS (1996). Quando este papel é desempenhado pelo pai, há um ganho, não só para a mulher, mas também para o recém-nascido e para o pai, implicando uma reformulação do seu papel, de modo a tornar-se um elemento ativo e participante em todo o processo, como uma estratégia para a humanização do parto. O EESMO tem obrigações morais e profissionais para com o casal a quem presta cuidados e deve criar condições para a vivência positiva do parto, na qual inclua esta prática, pois este é um dos acontecimentos mais importantes na vida do mesmo. Assim, será apresentado o trabalho desenvolvido na aquisição/desenvolvimento de competências na área de cuidados de enfermagem especializados em saúde materna e obstetrícia, que permitam fundamentar cientificamente a promoção da participação ativa do pai durante o trabalho de parto, enquanto estratégia para a humanização do parto, através da realização de uma revisão sistematizada da literatura (RSL). Paralelamente, foi feita observação dos contextos de cuidados e práticas da equipa multidisciplinar e interação com o público-alvo, durante o desenvolvimento das atividades descritas. De acordo com a RSL, o EESMO está apto para cuidar o casal durante o ciclo gravídico-puerperal, sendo que o cuidado deve dirigir-se à tríade, logo inclui o pai. É sua responsabilidade incentivar a sua presença, mostrar-lhe o que pode fazer, orientá-lo e reconhecer o potencial paterno. É mediador entre o casal e entre este e a equipa de saúde. Este processo deve iniciar-se na gestação e, acima de tudo, respeitar os limites e vontade de cada pai/casal, a interação e valores conjugais. Esta prática diminui a solidão feminina, aumenta o conforto físico e emocional, minimiza o stress do casal e dá maior segurança. Aumenta a responsabilidade paterna e a vinculação entre a tríade. A maioria dos pais considera que os cuidados de enfermagem recebidos são muito bons e a sua presença tem reflexos positivos nos mesmos.

Mestrado, Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia, 2012, Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Delgado, Maria João
Contributor(s) Martins, Maria de Lurdes
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents