Document details

Capacitar o cuidador informal da pessoa adulta com limitação funcional, na sequência de lesão cerebral

Author(s): Rosado, João José Louro Oliveira

Date: 2012

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.26/15791

Origin: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

Subject(s): Enfermagem em reabilitação; Cuidadores; Familia


Description

O papel de Cuidador Informal, particularmente pertinente no contexto actual da incidência de doenças crónicas na população portuguesa, torna-o um objectivo para a enfermagem, na medida em que a sua capacitação assume importância fundamental na promoção da desejável, e possível, qualidade de vida, da pessoa sob o seu cuidar. A opção pela elaboração de uma RSL, com metasumário, alicerçada num processo de procura, selecção, organização e síntese de achados de estudos primários de abordagem qualitativa, e no conhecimento deles extraído, procura contribuir para a análise e clarificação da função do enfermeiro na capacitação do cuidador familiar, da pessoa adulta com limitação funcional, na sequência de lesão cerebral, para a transição dos cuidados no seu regresso a casa e, por inerência, aplicar na prática de cuidados, o conhecimento assim constituído. Na formulação da questão de investigação e definição dos critérios de Inclusão/Exclusão de Estudos Primários, para constituição da amostra, foi utilizado o método PI[C]OD. Identificados sete estudos primários, cujos achados foram analisados, interpretados e sintetizados em três secções. RESULTADOS: os participantes evidenciam o facto de não existir um processo estruturado e eficaz na preparação da alta hospitalar. É essencial a aproximação à equipa multidisciplinar, onde o papel do enfermeiro, em particular, esteja claramente identificado, nomeadamente no que se refere à sua competência comunicacional, face ao que o cuidador deixa antever a necessidade em aprender a conhecer; em aprender a fazer e em aprender a viver junto e aprender a ser. CONCLUSÃO: Na programação da alta hospitalar é fundamental a capacitação do cuidador informal, por via da sua inclusão na prestação de cuidados. Esta inclusão e o treino prático inerente, favorecem a relação e a comunicação com o enfermeiro, logo, a capacitação do familiar e a adaptação à nova realidade. No contributo do enfermeiro, é enaltecido o domínio técnico e relacional do cuidado, deixando transparecer que não existe uma relação pedagógica. Capacitar, emerge como função do enfermeiro, na qual este, não deve limitar-se à informação sobre o diagnóstico ou estado do doente, mas ensinar o que cuidador e doente podem e devem fazer no desempenho das AVD´s.

Mestrado, Enfermagem de Reabilitação, 2012, Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Oliveira, Joaquim Paulo
Contributor(s) Rosado, João José Louro Oliveira
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo