Document details

iOS Technologies & Frameworks

Author(s): Vitale, Nino Santos

Date: 2016

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.22/11082

Origin: Repositório Científico do Instituto Politécnico do Porto

Subject(s): iOS apps; iOS development; Technologies; Frameworks; App Store; Wish lists; Aplicações iOS; Desenvolvimento iOS; Technologias; Frameworks; App Store; Listas de desejos; Sistemas Computacionais; Sistemas Computacionais; Sistemas Computacionais


Description

Apple’s mobile platform — iOS — currently generates the largest amount of revenue out of all mobile app stores. The majority of iDevices run the latest major iOS version (iOS 10) due to Apple users’ tendency to update their devices. Consequently, iOS developers are pressured into keeping their apps up to date. Advantages to updating apps consist of new features and adapting apps to the platform’s hardware and software evolution. However, this does not always happen. There are apps, some popular (with many users), which either receive slow updates, or not at all. The main consequence of developers not updating to the latest tendencies (i.e. user interface or API changes) is the degradation of their apps’ user experience. This subpar user experience leads to a decrease in the number of installs (and sales) and a search for alternatives that have been updated to support the latest firmware iteration fully. We identified a common pattern amongst ten apps which have subpar reviews on the App Store: excessive battery consumption and lack of user onboarding were just a few of the ssues. Above all, almost all those apps belong to the top 1% of apps (which generate 94% of the App Store’s revenue), so the lack of focus on the user experience is unfortunate considering their massive user bases. We listed the available resources for those wanting to develop or improve iOS apps. Given these requisites, we studied the possibility of developing a mobile app that adopted good engineering practices and, above all, focused on delivering an excellent user experience in a given timeframe of six months. The app’s idea consisted of a wish list management app called Snapwish that allows the user to take photos of objects they want, create wish lists, and share them with family and friends. The app allows for offline usage, with data syncing automatically (in real-time) without user intervention when the app’s Internet connection is present. We tested Snapwish thoroughly to measure the quality of its implementation. Profiling helped assert that core metrics like CPU and memory usage, network data requests and energy consumption were within acceptable values while unit and user interface tests served to validate our code functionally. Furthermore, our team of five beta testers provided valuable feedback and suggestions. Ultimately, the six-month timeframe proved to be insufficient in regards to a release on the App Store, as Snapwish remains in the latter beta stages at the time of writing. This delay is mostly attributed to a lengthy testing process. Thus, we plan on releasing it in the first trimester of 2017.

Hoje em dia, a plataforma móvel da Apple — iOS — é a que tem maior revenue em aplicações móveis. A maior parte dos dispositivos móveis iOS corre a versão mais atual (iOS 10), devido à tendência dos seus utilizadores em atualizar o sistema operativo com frequência. Consequentemente, os desenvolvedores da plataforma são pressionados para manterem as suas apps atualizadas. Algumas das vantagens das atualizações consiste em adicionar novas funcionalidades e adaptar as apps à evolução do hardware e do software da plataforma. Contudo, isto nem sempre e verifica. Existem muitas apps, algumas “populares” (com muitas instalações) cuja atualização demora ou não acontece. A principal consequência da não atualização das apps às tendências atuais, quer em termos de interação, quer em termos de mecanismos de proteção de dados, consumo de bateria e outros, é a degradação da experiência de quem as utiliza, consequentemente, a diminuição do número de instalações (e vendas) e a crescente procura de alternativas que tenham estes princípios em conta. Foi identificado um padrão comum em dez aplicações cujas classificações na App Store são medíocres: um consumo exagerado de bateria e falta de user onboarding foram apenas alguns dos problemas. Acima de tudo, quase todas pertencem ao 1% de aplicações que geram 94% das receitas da App Store. A falta de foco na experiência do utilizador é infeliz considerando as enormes bases de utilizadores dessas aplicações. Foram listados os recursos disponíveis para quem pretende desenvolver ou melhorar uma aplicação iOS. Dadas essas premissas, foi estudada a possibilidade de desenvolver uma aplicação móvel que adote boas práticas de engenharia e, acima de tudo, foque na experiência do utilizador, num período de seis meses. A ideia para a aplicação consistiu num gestor de listas de desejos designada Snapwish que permite tirar fotos de objetos que o utilizador deseja, criar listas, e partilhá-las com amigos e familiares. Além disso, a app permite o uso offline e os dados são sincronizados em tempo real sem intervenção do utilizador quando a app dispõe de uma conexão à Internet. A nossa aplicação foi testada extensivamente para medir o nível de qualidade da sua implementação. O profiling ajudou em constatar que métricas fundamentais como o consumo de CPU e memória, pedidos de dados de rede e de consumo de energia (bateria) estavam dentro dos parâmetros aceitáveis. Além disso, uma equipa de cinco beta-testers contribuiu com comentários e sugestões de grande valor. Em última análise, o prazo de seis meses revelou-se insuficiente em relação ao lançamento da app na App Store. O Snapwish permanece numa fase beta avançada (no momento da escrita desta tese). Este atraso é principalmente atribuído a um extenso processo de testes. Assim, pretendemos lançar a aplicação no primeiro trimestre de 2017.

Document Type Master thesis
Language English
Advisor(s) Sousa, Paulo Manuel Baltarejo de
Contributor(s) Vitale, Nino Santos
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents