Document details

Ajustamento psicossocial e morbilidade psiquiátrica em adolescentes e jovens adultos com cardiopatias congénitas

Author(s): Rodrigues, Filipa Daniela Vieira

Date: 2015

Origin: Repositório CESPU

Subject(s): Cardiopatias congénitas; Ajustamento psicossocial; Morbilidade psiquiátrica


Description

Caracterizar a população de adolescentes e jovens adultos com Cardiopatias Congénitas (CC) ao nível do ajustamento psicossocial e morbilidade psiquiátrica. Procedimento: Participaram neste estudo 266 doentes com CC, 148 do sexo masculino e 118 do sexo feminino, com idades entre os 12 e os 30 anos (média = 17,04 ±2,746). Foram recolhidos os dados clínicos mais relevantes e foi aplicado um conjunto de instrumentos num único momento temporal, constituído por uma entrevista semiestruturada, um questionário da personalidade (NEO-FFI), uma entrevista psiquiátrica estandardizada, SADS-L para traçar um diagnóstico clínico de perturbações psiquiátricas e questionários para avaliar o ajustamento psicossocial na forma de auto-relato (YSR, ASR) e relato dos cuidadores (CBCL, ABCL). Resultados: Encontramos uma prevalência de 15.3% de psicopatologia nos participantes do nosso estudo (18.5% nas mulheres). As doentes de género feminino demonstraram maior tendência a apresentar isolamento (u=5705.500; p=0.024), mais sentimentos de ansiedade e depressão (u=5845.00; p=0.08), mais internalização (u=5140.500; p=0.001). Os doentes que foram submetidos a intervenções cirúrgicas denotaram uma cotação mais alta na escala de externalização (u=5193.500; p=0.050), e os que tiveram duas ou mais cirurgias, por seu lado, apresentaram maior comportamento delinquente (u=2260.000; p=0.003). Neste estudo, através das correlações entre o ajustamento psicossocial e a personalidade, apurou-se que o traço Neuroticismo revelou maior isolamento (rs 0.276; p 0.001), mais ansiedade/depressão (rs 0.214; p 0.011) e maior internalização (rs 0.275; p 0.001). o traço Extroversão denotou mais ansiedade/depressão (rs 0.320; p <0.001), mais problemas de atenção (rs 0.263; p 0.002), de comportamento agressivo (rs 0.319; p <0.001) e internalização (rs 0.250; p 0.003). Em relação ao traço Responsabilidade este apresenta maior ansiedade/depressão (rs 0.236; p 0.005), alterações do pensamento (rs 0.232; p 0.006) e comportamento agressivo (rs 0.276; p 0.001). Em relação aos preditores de risco do ajustamento psicossocial (auto relato) verificou-se que o traço de personalidade Amabilidade (p <0.001), ser do género feminino (p 0.002) e ter competência física limitada (p 0.043) prediz pior ajustamento psicossocial ao nível da internalização e a Idade (p 0.005) e desempenho escolar insatisfatório (p 0.014) ao nível da externalização. Neste estudo, verificamos que 107 doentes tinham reprovado pelo menos uma vez durante o seu percurso escolar e que 130 não reprovaram nenhuma vez, sendo a média de reprovações é de 1.52 (±0.78). Conclusão: Ser do género feminino, doentes com internamentos e com mais de duas cirurgias, ter uma personalidade com o traço Neuroticismo, Extroversão e Responsabilidade apresenta pior ajustamento psicossocial. O género feminino mostra-se mais propício para ter uma doença psiquiátrica. Palavras-chave: Cardiopatias Congénitas; ajustamento psicossocial, morbilidade psiquiátrica.

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Contributor(s) Rodrigues, Filipa Daniela Vieira
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo