Document details

O Percurso da informação. Da agenda à redação

Author(s): Ferreira, Paula Margarida de Figueiredo Alves Cardona

Date: 2012

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10362/9443

Origin: Repositório Institucional da UNL

Subject(s): Agenda editorial; Informação; Redacção; Actividade jornalística


Description

Logo no início da escrita deste relatório de atividade profissional, foi notada a inexistência de literatura sobre a matéria – agenda de informação – e sobre os condicionalismos que causa na produção de notícias. A informação na agenda faz parte do processo de construção das notícias, cujas práticas e mecanismos este trabalho tenta evidenciar. Tendo como base a atividade na RTP, o relatório não se limita à empresa. O foco de interesse incide na relação entre a agenda e a redação e inclui um olhar numa agência de notícias como a Lusa. Este trabalho visa debater a concepção de uma agenda de informação e as interdependências com a redação. A investigação académica que utiliza metodologias mais empíricas para estudar o jornalismo, em particular a observação participante, implicando a presença do investigador no local onde as notícias são produzidas e junto de quem as produz, tem sido praticamente centrada na redação. A título de exemplo, referimos o caso da investigação de Herbert Gans, em 1979,2 sobre a CBS que analisou a produção de notícias nas redações, procurando responder à célebre pergunta: “Porque são as notícias como são?” Outros estudos – Tuchman, em 1978 e Fishman, em 1980 – definiram o mesmo foco de interesse. Anteriores a esta data, nos anos 50, são os estudos de David Manning ‘s White com uma análise sobre o editor de notícias e Warren Breed que aprofunda o controlo social nas redações 3. Outros departamentos de uma empresa de comunicação social, hoje em dia tão conectados entre si, como é o caso da agenda de informação de uma televisão, permanecem completamente ignorados, são desconhecidas as suas rotinas e formas de hierarquia e organização, não conhecemos os seus profissionais nem o seu contributo para a forma e o conteúdo final da informação que é publicada ou transmitida aos leitores, aos ouvintes e aos telespetadores. Até que ponto a agenda não é o local de nascimento da notícia dentro de uma empresa de comunicação social? Este trabalho é um modesto contributo para reduzir essa invisibilidade e diminuir o silêncio em torno do funcionamento e das rotinas existentes numa agenda de informação, procurando compreender de que forma as dinâmicas profissionais que este departamento estabelece com a respetiva redação configuram práticas jornalísticas ou parajornalísticas com impacto na qualidade da informação final. A agenda, como parte integrada no processo da produção de notícias, funciona como um campo preparatório. Numa televisão, pode produzir mais impacto porque permite (ou não) ter imagens de um acontecimento, mas é secundarizada por fazer apenas parte dos preparativos e por ela própria não fazer parte do ecrã de televisão, estar nos bastidores, onde aqueles que trabalham para a notícia não são vistos, nem ouvidos. Adicionamos ainda uma pequena reflexão histórica já que, tal como todas as atividades ligadas ao jornalismo, trata-se de uma área cujas tarefas, dinâmicas, missão e objetivos foram completamente revolucionados pelas sucessivas tecnologias de informação e comunicação. As etapas são marcadas pelas tecnologias que condicionam a reportagem e a organização das empresas que gerem e tratam informação. Nos primeiros anos da RTP, prevalecia o entretenimento que incluía o teatro em televisão, em relação à informação. Não havia jornalistas, porque em televisão não existia esta designação, havia redatores que escreviam sobre as imagens de um acontecimento. A informação era escassa, em pouca quantidade e não existia um serviço de agenda. O secretário de redação - que dará origem ao serviço de agenda - surge em 1965 quando o chefe de redação deixa de fazer a agenda e passa a existir um funcionário dedicado em exclusivo a esta tarefa e com a competência da gestão de meios, de gerir os operadores de câmara. Os anos 80 são marcados pela introdução dos computadores e por um sistema interno que permitia o agendamento em computadores não na datilografia, remetendo para segundo plano o papel em favor da digitalização. Esta digitalização ou imaterialização permitirá uma maior conexão e simultaneidade de serviços cada vez mais progressiva quer na relação com o exterior, quer dentro da própria empresa. As novas dinâmicas da produção de conteúdos - receção de imagens do estrangeiro, conjuntos de imagens com códigos próprios inseridas no sistema interno de uma empresa de comunicação social - acessíveis aos jornalistas na redação, alteraram as rotinas de trabalho, acelerando cada vez mais a velocidade de publicação da notícia. Nas agendas e nas redações, a leitura dos jornais já não se faz de 24 em 24 horas, mas a cada minuto de publicação na internet.

Relatório de Atividade Profissional de Mestrado em Ciências da Comunicação – área de especialização em Jornalismo

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Contributor(s) Ferreira, Paula Margarida de Figueiredo Alves Cardona
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents