Document details

Análise comparativa da etiologia e mecanismo do AVC isquémico segundo a classificação da TOAST e a nova classificação da ASCO

Author(s): Serra, Paula Catarina Registo

Date: 2010

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.6/2300

Origin: uBibliorum

Subject(s): Acidente vascular cerebral (AVC) - Subtipos; Acidente vascular cerebral (AVC) - Factores de risco; Acidente vascular cerebral (AVC) - Classificação TOAST; Acidente vascular cerebral (AVC) - Classificação ASCO


Description

Introdução: Em Portugal o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a primeira causa de morte e gerador de elevada incapacidade. É prioritário apostar na sua prevenção pelo conhecimento e intervenção a nível dos factores de risco. A optimização na assistência a estes doentes pode ser facilitada pelo seu enquadramento em subgrupos com características clínicas, terapêuticas e prognósticas semelhantes. Uma abordagem sistematizada, rápida e eficaz pode ser conseguida pela aplicação de classificações de AVCs simultaneamente completas e práticas. São importantes estudos que analisem as vantagens e limitações das várias classificações na tentativa de se conseguir o mais possível uma aproximação à classificação ideal. Objectivos: Primário - efectuar a comparação da etiologia e mecanismo de AVC isquémico pela aplicação da classificação ASCO a uma população de doentes previamente classificados pela TOAST e avaliar as suas vantagens e limitações. Secundários - analisar os principais factores de risco segundo subtipo de AVC isquémico. Métodos: Estudo retrospectivo em 80 doentes com diagnóstico de AVC isquémico dos subtipos aterotrombótico, cardioembólico, lacunar e de causa indeterminada segundo a classificação TOAST. Analisou-se a informação clínica e exames complementares de diagnóstico de 20 doentes de cada subtipo e reclassificaram-se quanto à sua etiologia pela aplicação da classificação ASCO.Estudou-se também a prevalência de vários factores de risco por subtipo de AVC. Resultados: Verificou-se concordância diagnóstica entre as 2 classificações em 85% dos AVCs cardioembólicos, 75% dos aterotrombóticos, 65% dos lacunares e 0% nos de outras causas. Em 19% dos doentes não foi possível efectuar a comparação. Na análise de factores de risco cardiovasculares destaca-se a elevada prevalência de hipertensão arterial nos doentes com AVC aterotrombótico (95%) e de fibrilhação auricular em doentes com AVC cardioembólico (75%). Os hábitos tabágicos e alcoólicos eram mais prevalentes em doentes com AVCs aterotrombóticos, estando presentes em 58% e 63% destes doentes, respectivamente. 50% dos doentes com AVC aterotrombótico apresentavam estenose significativa homolateral no triplex carotídeo . A presença de leucoaraiose na tomografia computorizada/ressonância magnética foi idêntica em todos os subtipos, com prevalência de cerca de 40%. Os valores de proteína C reactiva encontravam-se elevados nos subtipos lacunar e de causa indeterminada. Conclusão: A ASCO é uma classificação mais completa que a TOAST, mas com critérios mais rígidos e pouco prática para a aplicação rotineira na clínica.

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Alvarez Pérez, Francisco José
Contributor(s) Serra, Paula Catarina Registo
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents