Document details

Investimento estrangeiro em acções: determinantes e efeitos nos preços e volatilidade do mercado português

Author(s): Ramos, António Albino Costa

Date: 2009

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.6/2935

Origin: uBibliorum

Subject(s): Mercado de capitais - Investimento estrangeiro; Acções - Investimento estrangeiro - Portugal


Description

Os fluxos de capitais privados estrangeiros que entram numa economia são, geralmente, classificados em três grandes categorias: investimento directo, investimento de carteira e crédito bancário. Até final da década 1980, nos mercados desenvolvidos e emergentes, o investimento directo e o crédito bancário estrangeiro representavam a maioria dos fluxos que entravam nestas economias. A partir do início da década de 1990, a composição dos fluxos altera-se, passando a posição maioritária para os fluxos de carteira, representando os fluxos em acções uma fracção considerável desta maioria (Ahmed e Gooptu, 1993; Gavin e Haegeli, 1999, López-Mejía, 1999; Tesar, 1999, Perrault, 2002). Este facto traduziu a abertura dos mercados e o progressivo relaxamento das restrições de investimento ao capital estrangeiro e, simultaneamente, o reconhecimento pelos investidores dos benefícios da diversificação internacional de carteiras. A partir do início da década de 1990, o aumento dos fluxos estrangeiros em acções para os mercados emergentes, incluindo Portugal, foi significativo. Os países desenvolvidos iniciaram processos de liberalização dos mercados de capitais a partir do início da década de 1980, passando muitos deles a mercados inteiramente liberalizados a partir de meados desta década. Por sua vez, os mercados emergentes iniciaram processos de liberalização mais tardios; no final da década de 1990, havia ainda alguns mercados que impunham restrições às posições de investimento estrangeiro, sendo a Coreia do Sul um destes casos (Choe, Kho, e Stulz, 1999; Kim e Wei, 2002,a,b). Decorrente do aumento significativo dos fluxos estrangeiros em acções, nalguns mercados os investidores estrangeiros alcançaram posições de investimento significativas, como foi o caso português onde, em meados de 2004, a posição de investimento estrangeiro, englobando os diversos canais de investimento, representava cerca de um terço da capitalização accionista da bolsa portuguesa. O problema de investigação deste trabalho é, pois, a relação entre as aquisições líquidas de acções nacionais pelos investidores estrangeiros e: 1) a rendibilidade e volatilidade do mercado português; 2) os factores de risco económico e financeiro, locais e globais, que as motivam.

Document Type Master thesis
Language Portuguese
Advisor(s) Monteiro, João Dionísio
Contributor(s) Ramos, António Albino Costa
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents