Document details

The US Economic, political and geostrategic response to China's presence in Africa

Author(s): Anton, Mariana

Date: 2012

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.5/5146

Origin: Repositório da UTL

Subject(s): U.S.; China; Africa; Third Scramble; Smart Power; Strategic Interests; AFRICOM; Oil; África; Corrida pela África; Interesses Estratégicos;; Petróleo


Description

Africa has recently become a region of strategic importance for both the U.S. and China, which has resulted in what some have called The third scramble for Africa. Both countries are actively competing for Africa's natural resources, for markets and for political influence, using several strategies and tactics to ensure and expand their interests. This dissertation aims to analyse the main actions and reactions taken by the U.S. in Africa, regarding China's presence on the continent. It examines the two countries cooperation policy and their interests in Africa as well as the measures that have been taken by the U.S. to strengthen its strategic policy in Africa. It concludes that, even though the U.S. is using diplomatic, military and economic instruments to counter China's influence on the continent, it doesn't intend to attack China directly. Instead, the U.S. is employing a "smart power" policy characterized by cautiousness.

A África tornou-se mais recentemente uma região de grande importância estratégica para os EUA e a China, resultando, na visão de alguns autores, numa nova corrida pela África. Ambos os países estão activamente a competir por recursos naturais, por mercados económicos e por influência política, no continente Africano, utilizando várias estratégias para assegurar e expandir os seus interesses. A presente dissertação tem como principal objectivo apresentar as principais acções e reacções desenvolvidas pelos EUA no continente africano, assumindo a presença cada vez mais forte da China em África. A dissertação analisa a política de cooperação dos dois países e os seus interesses no continente, bem como as medidas tomadas pelos EUA para reforçar a sua política estratégica no continente, como resposta às acções desenvolvidas pela China. A partir da analise realizada pode-se concluir que, apesar dos EUA utilizarem vários instrumentos diplomáticos, militares e económicos para conter a influência da China no continente, a intenção de Washington não é atacar a China directamente. Em vez disso, os EUA estão a empregar uma política de "smart power" caracterizada essencialmente pela cautela e prudência.

Master International Development and Cooperation

Document Type Master thesis
Language English
Advisor(s) Ferreira, Manuel Ennes
Contributor(s) Anton, Mariana
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents