Document details

Science and technology in Africa : a bibliometric and patent analysis

Author(s): Confraria, Hugo João Fialho Costa

Date: 2013

Persistent ID: http://hdl.handle.net/10400.5/6244

Origin: Repositório da UTL

Subject(s): Africa; Science & Technology Indicators; Bibliometrics; Patent analysis; Research; Scientific impact; Scientometrics; Indicadores de Ciência e Tecnologia; Bibliometria; Análise de patentes; Investigação; Impacto Científico; Scientometria


Description

It is known that Africa's R&D has been fragile. However, the analysis of bibliometric data indicates that Africa has relative distinguish behaviours on publication (2,51% of world output in 2011) and patent production (0,25% of total PCT Applications in 2011). Regarding research output there was a turning point around 2004, when the continent's output was yet to reach 15,000 publications annually. Since that year African publications have grown faster than the world average, with its number more than duplicating until now. These advances are overshadowed by the fact the continent’s production is still highly concentrated (South Africa and Egypt). Concerning scientific specialization, the results indicate that the overall Africa’s specialization is not too different of the world pattern with the exception of Agricultural Sciences, which are relatively more important in Africa. An important finding is that, at the nation level, higher level of specialization and English language colonial legacy seems to lead to better results on “scientific impact”. Other relevant result is that there seems to be a non-linear dynamics between publication output and patent output. The more a country publishes in WoS publications, the more it is able to transform scientific information into technological inventions. Finally, as demonstrated, in a way, by our cluster analysis, Africa is too complex to follow one set of S&T policies. Each country must evaluate what already exists and, with a realistic vision (Lundvall, 2009), develop their knowledge frontiers to respond to local circumstances and opportunities.

Historicamente, a I&D em África tem sido diminuta. No entanto, a análise de dados bibliométricos indica que África tem comportamentos distintos em relação à produção científica (2,51% da produção mundial em 2011) e aos pedidos internacionais de patentes (0,25% do total em 2011). Relativamente à produção científica, houve um ponto de viragem em 2004, quando a produção total do continente não ultrapassava as 15000 publicações anuais. Desde esse ano o crescimento anual tem sido mais rápido que a média mundial. Estes avanços são ofuscados pelo facto da produção do continente ser ainda altamente concentrada (África do Sul e Egito). Quando o à especialização científica, a única área científica onde África apresenta maior diferenciação é em “Ciências Agrárias”. Um resultado importante, ao nível dos países, é que maiores níveis de especialização e a existência da língua inglesa como língua colonial, parecem levar a publicações com maior "impacto científico". Outra conclusão relevante é que parece haver uma dinâmica não-linear entre o número de publicações de um país e o número de pedidos PCT. Quanto maior o nível de publicação de um país na WoS, maior parece ser a capacidade dos agentes em transformar a informação científica em invenções tecnológicas. Finalmente, a nossa análise de clusters demonstrou, que África é muito complexa para seguir um conjunto único de políticas de C&T. Cada país deve avaliar as suas características e, com uma visão realista (Lundvall, 2009), desenvolver as suas fronteiras de conhecimento para responder às circunstâncias e oportunidades locais.

Mestrado Economia e Gestão de Ciência, Tecnologia e Inovação

Document Type Master thesis
Language English
Advisor(s) Godinho, Manuel Mira
Contributor(s) Confraria, Hugo João Fialho Costa
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Related documents

No related documents