Detalhes do Documento

Personalidade e comportamento criminal: estudo com homicidas, ofensores violentos e perigosos e ofensores criminais

Autor(es): Moura, José Carlos Freitas de

Data: 2010

Origem: Repositório CESPU

Assunto(s): personalidade; crime; comportamento


Descrição

A personalidade apresenta-se como um factor assinalável do comportamento criminal. Visto existir uma relação entre estes conceitos, tornou-se pertinente verificar essa ligação e até que ponto o crime pode ser previsto pelos traços da personalidade. Sendo a população criminal uma população heterogénea que se diferencia a nível de crimes, de pessoas e de comportamentos, houve a preocupação de restringir esta população em três grandes grupos, para nós dos mais comuns hoje em dia. Parece haver unanimidade quanto à importância que determinados traços da personalidade podem influenciar o comportamento criminoso do sujeito. É neste sentido que elaboramos o presente estudo, comparando resultados anteriores, com os da população reclusa portuguesa. Fundando um contributo para ajudar a clarificar o que influencia o comportamento dos ofensores, o presente estudo tem como objectivo analisar, em sujeitos condenados por crimes de homicídio, em sujeitos condenados por crimes contra o património e em sujeitos condenados por crimes violentos e perigosos, os traços de personalidade da teoria de Eysenck e da teoria do sensation seeking de Zuckerman, bem como factores da história de vida dos sujeitos que estejam relacionados com a sua carreira criminal. A amostra é constituída por 78 reclusos, todos eles adultos e do sexo masculino. A amostra divide-se em três grupos i) 28 sujeitos condenados por crime de homicídio; ii) 25 sujeitos condenados por crimes violentos e perigosos; iii) 25 sujeitos condenados por crimes contra o património. Para a realização deste estudo utilizou-se um questionário composto por três partes: i) dados sócio-demográficos; ii) Questionário da Personalidade de Eysenck – Versão Curta (EPQ-SS); iii) Escala Sensation Seeking forma V (SSS-V) de Zuckerman. Os resultados obtidos revelam diferenças entre os três grupos em estudo. Os homicidas são caracterizados por níveis baixos de psicoticismo e neuroticismo, apresentam menos comportamentos desviantes ao longo do tempo e uma menor carreira criminal e têm menos histórico de consumo de drogas e de álcool em relação aos sujeitos violentos e aos sujeitos patrimoniais. Os sujeitos violentos e perigosos e os sujeitos patrimoniais apresentam índices elevados de psicoticismo e neuroticismo e têm maior tendência a cometerem o crime sob efeito de drogas do que os homicidas. Com efeito, os ofensores violentos e perigosos apresentam valores mais elevados na procura de sensações e são mais intolerantes ao aborrecimento que os sujeitos homicidas, bem como começam a sua carreira criminal mais cedo, com idades inferiores, em relação aos dois grupos. Relacionando os traços de personalidade com o comportamento desviante, quanto mais psicoticismo e neuroticismo mais se é instável laboralmente, mais cedo se começa a praticar crimes e mais se está em contacto com o sistema de controlo formal. Por seu lado, quanto mais extroversão e sensation seeking mais se é precoce na prática de comportamentos desviantes e de crimes. Verificamos também que o traço sensation seeking se relaciona positivamente com a extroversão e negativamente com a mentira. Dado aos resultados obtidos neste estudo, que corroboram com os resultados internacionais, vimos contribuir para a compreensão de um fenómeno presente e para a caracterização de uma população que evidencia determinadas especificidades.

Tipo de Documento Dissertação de mestrado
Idioma Português
Contribuidor(es) Moura, José Carlos Freitas de
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Documentos Relacionados