Detalhes do Documento

No Aleph para um olhar sobre o Serviço ACARTE da Fundação Calouste Gulbenkian entre 1984 e 1989

Autor(es): Vieira, Ana Maria Bigotte

Data: 2016

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10362/19417

Origem: Repositório Institucional da UNL

Projeto/bolsa: info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBD%2F66580%2F2009/PT;

Assunto(s): Fundação Calouste Gulbenkian; Calouste Gulbenkian Foundation; ACARTE; Madalena Perdigão; Arte Moderna; Modern Art; Nova Dança; New Dance; Anos 80; Europa; CEE; 1980s; Modernidades Descentradas; Europe; Arquivos Digitais; European Economic Community; Modernização; Decentered Modernities; Transformação da Experiência da Corporalidade; Digital Archives; Comuns na Cultura; Modernization; Transformation of Corporeality; Culture Common; Domínio/Área Científica::Ciências Sociais::Ciências da Comunicação; Domínio/Área Científica::Ciências Sociais::Ciências da Comunicação; Domínio/Área Científica::Ciências Sociais::Ciências da Comunicação


Descrição

Unlike several European countries where modern art museums were built in the 1950s/1960s following World War II as a symbol of democracy, Portugal’s economic conditions (the country was drained by the colonial wars) and Salazar’s rule would only allow for the construction of a modern art museum in the 1980s under the private initiative of the Calouste Gulbenkian Foundation, shortly before Portugal joined the European Economic Community. The Gulbenkian’s Centro de Arte Moderna [CAM – Modern Art Center] opened in 1983, and it was the first modern art museum in Portugal. Thought of as an art center rather than a museum, CAM included a multi-purpose hall; an open-air amphitheater; a temporary exhibition hall and a children’s art center. The activity taking place beyond the exhibitions gallery where the museum was lodged was the responsibility of ACARTE, the Gulbenkian Foundation’s Department of Artistic Creation and Art Education. Several temporalities seem to be at stake. Schematically: CAM was a promise from the 1950/60s that was fulfilled; placed in an architectonic archetype from the 1970s; which opened in the 1980s; hosting the ACARTE Department, whose curatorial approach – mainly focused on performance, dance, theatre and relational events – could be seen as prefiguring the curatorial discursive and performance turn of the 2000s. ACARTE can also be thought of as the culminating point of two decades of research on Education through Art and Artistic Education. Its founder and first director Madalena Perdigão not only founded the Gulbenkian Orchestra, Chorus and Ballet, but was also responsible for the reform of the national conservatory school in 1971 and for a failed reorganization project of the national artistic education in 1978, after the 1974 Revolution. There is thus an intricate history linking the pedagogic experiments prompted by the Gulbenkian Foundation before the 1974 Revolution, the reform of the national conservatory school, Perdigão’s failed efforts towards restructuring the National Art Education, and her return to the Gulbenkian Foundation as ACARTE Director in 1984. Hence, ACARTE’s activities in the 1980s are directly related to the 1960s’ experiments in pedagogy. But not exclusively: the department’s activities can also be looked at as being at the crossroads between a series of curatorial and programming practices. By basing its activity on the need to attend to what “is missing” ACARTE developed a particularly attentive way of moving through aesthetic and political proposals usually allocated to different time spans, thus accounting for the different perceptions its contemporaries had of their time. As such, ACARTE is a superb case study with regard to decentered modernities. Organized as a lens to look into ACARTE through the 1980s, this work is divided into two parts: Text and Digital Timeline ACARTE 1984-1989. If the latter, a digital archive, aims at opening up ACARTE’s activity to future researches, the first aims at situating this Department in its context of emergence. It pays particular attention to the ways in which ACARTE can be seen as a major event for the reconfiguration of the subject’s experience of corporeality that was taking place by then.

Ao contrário do que aconteceu numa série de países europeus onde no Pós II Guerra Mundial foram construídos museus de arte moderna, sinal de democracia e liberdade, em Portugal, devido ao regime de Salazar e Caetano, esta construção aconteceu já na década de 1980, por iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian. Assim, o Centro de Arte Moderna (CAM) da Fundação Calouste Gulbenkian, inaugurado em 1983, viria a ser, na prática, o primeiro museu de arte moderna do país, com uma colecção organizada de propósito para a ocasião. Pensado como um centro de arte e não como um museu, o CAM incluía uma sala polivalente, um anfiteatro ao ar livre, uma sala de exposições temporárias e um pavilhão para crianças. A actividade que tinha lugar para lá das galerias do museu era da responsabilidade do Serviço de Animação, Criação Artística e Educação pela Arte (ACARTE). Várias temporalidades parecem coexistir: a promessa realizada de uma vontade de ter um museu de arte moderna vinda da década de 1950/1960; alojada num espaço arquitectónico característico da década de 1970 e inaugurada na década de 1980, o CAM; e albergando no seu interior um Serviço, o ACARTE, em sintonia com os esforços de criação de uma “Europa da Cultura” da década de 1990; e que se poderia entender como prefigurando a viragem curatorial em direcção ao discursivo e ao performativo que tem lugar já em 2000. O ACARTE pode igualmente entender-se como o culminar de duas décadas de investigação em Educação pela Arte e Educação Artística, pois a sua Fundadora e primeira Directora, Madalena Perdigão, não apenas criou a Orquestra, o Coro e o Ballet Gulbenkian, como foi responsável pela reforma do Conservatório, em 1971, e por um projecto falhado de reestruturação do Ensino Artístico Nacional, em 1978. Uma história intrincada liga assim as experiências em Educação pela Arte levadas a cabo na Gulbenkian antes da Revolução, a reforma do conservatório, a falhada reestruturação do Ensino Artístico Nacional e o regresso de Perdigão à Fundação Calouste Gulbenkian em 1984. Neste sentido, a actividade do ACARTE na década de 1980 continua as experimentações pedagógicas da década de 1960. Mas não apenas: esta actividade pode também ser entendida no cruzamento entre uma série de práticas de curadoria e programação. Ao pautar a sua acção por uma “atenção à falta”, o ACARTE terá desenvolvido uma forma particular de albergar propostas estéticas e políticas geralmente atribuídas a períodos distintos, abrindo-se às diferentes percepções que os contemporâneos teriam do seu momento histórico. Torna-se, como tal, um caso de estudo exemplar no que diz respeito a modernidades descentradas. Estruturando-se como uma lente para observar o ACARTE na década de 1980, este trabalho organiza-se em duas partes: Texto e Timeline Digital ACARTE 1984-1989, composta exclusivamente para este fim. Se a última procura abrir a acção deste Serviço a investigações futuras, a primeira procura situá-lo no seu contexto de emergência, prestando particular atenção aos modos como a sua acção contribui para uma reconfiguração da experiência da corporalidade que por estes anos tem lugar.

Tipo de Documento Tese de doutoramento
Idioma Português
Orientador(es) Monteiro, Paulo Filipe
Contribuidor(es) Vieira, Ana Maria Bigotte
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Documentos Relacionados

Não existem documentos relacionados.