Detalhes do Documento

Um estudo sobre a liderança feminina: motivação, bem-estar subjetivo e bem-estar no trabalho

Autor(es): Gonçalves, Rute Miriam Marques Correia

Data: 2012

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10400.1/2889

Origem: Sapientia - Universidade do Algarve

Assunto(s): Liderança; Bem-estar subjetivo; Bem-estar trabalho


Descrição

Esta investigação ambiciona averiguar o tipo de liderança que as mulheres no topo das empresas portuguesas optaram para exercer a sua função. Sendo esta uma função de grande empenhamento, pretendemos compreender quais as suas motivações para exercer a liderança e como consequência da sua decisão o impacto que terá no seu Bem-estar Subjetivo (BES) e Bem-estar no Trabalho (BET). Para isso, foi escolhida uma amostra de 20 mulheres em liderança. Destas, foram selecionadas seis, que estavam em liderança de topo e foram entrevistadas e gravados os seus discursos. Todas elas são do Concelho de Lisboa. Como metodologia, utilizamos um guião de entrevista e um protocolo de investigação constituído por cinco escalas distintas para averiguar o tipo de liderança; a motivação para a liderança; o projeto profissional; a satisfação com a vida no seu global, e a avaliação do bem-estar no trabalho. Para trabalhar os dados da entrevista e à análise de conteúdo, recorreu-se ao programa informático Tropes-Zoom, e para os dados do protocolo de testes utilizou-se o SPSS. Através dos resultados das duas análises, que foram similares, poderemos sugerir algumas conclusões: 1) As mulheres em liderança apresentam uma motivação intrínseca para a função (M=6,88 entrevistadas; M= 6,43 restantes líderes); 2) relativamente ao projeto profissional demonstraram que desejam muito continuar a exercer a liderança (n= 5; 83,3% entrevistadas) e que desejam exercer esta função de liderança durante todo o percurso profissional (n=13; 92,9%, restantes líderes); 3) o tipo de liderança exercida é maioritariamente transformacional (M=3,50, entrevistadas e M=3,10 restantes líderes); 4) as mulheres caracterizadas com uma liderança transformacional obtiveram resultados de BES elevado (PANAS Global M=2,92, entrevistadas; M=2,98, restantes líderes; SWLS, M=4,37 entrevistadas e M=3,83 restantes lideres), 5) Apresentam ainda elevados valores de BET (M=5,03, entrevistadas; M=4,40, restantes líderes). 6) O BES e BET parecem ser interdependentes.

Dissertação de mest., Psicologia Social e das Organizações, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Univ. do Algarve, 2012

Tipo de Documento Dissertação de mestrado
Idioma Português
Orientador(es) Jesus, Saul Neves de
Contribuidor(es) Gonçalves, Rute Miriam Marques Correia
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Documentos Relacionados

Não existem documentos relacionados.