Detalhes do Documento

Estudo de avaliação da qualidade de vida após o tratamento do cancro da mama

Autor(es): Cadete, Maria Alexandra da Silva

Data: 2010

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10400.6/757

Origem: uBibliorum

Assunto(s): Cancro da mama; Cancro da mama - Qualidade de vida; Cancro da mama - Tratamento


Descrição

Introdução: No sexo feminino, um em cada quatro casos de cancro corresponde a cancro da mama. Tem-se vindo a registar uma diminuição na taxa de mortalidade nas mulheres com idades compreendidas entre os 35 e 75 anos, fruto do diagnóstico mais precoce e da melhoria das terapêuticas. Devido ao crescente número de mulheres sobreviventes de cancro da mama, a comunidade científica tem-se preocupado particularmente com a Qualidade de Vida (QdV) das mulheres com cancro da mama. O bem-estar dessas mulheres afigurase uma prioridade. Objectivo: Compreender as necessidades físicas e psico-sociais das mulheres após o tratamento do Cancro da Mama, de forma a encontrar factores que nos possam levar a propor melhorias para a sua QdV. Material: Foram seleccionados para estudo 2 grupos de mulheres: um grupo composto por 54 mulheres tratadas ao Cancro da mama há mais de um ano na Unidade de Ginecologia Oncológica do Centro Hospitalar Cova da Beira – EPE e sem evidência clínica de recidiva ou de metastização; e outro grupo de 38 mulheres sem patologia oncológica conhecida, funcionárias da mesma instituição Métodos: O estudo consistiu na aplicação dos seguintes instrumentos de avaliação: 1) ficha de dados clínicos e sócio-demográficos; 2) Medical Outcomes Study 36 – Item Short Form (SF – 36); 3) Rotterdam Symptom Check List (RSCL). Tratou-se de um estudo prospectivo, destinado à avaliação da QdV, no qual se procedeu a uma análise comparativa das pontuações médias obtidas nas diferentes subescalas dos questionários aplicados, recorrendo-se ao Teste t–student. A análise estatística foi realizada através do Microsoft Excel e do software SPSS® (Statistical Package for the Social Sciences®) versão 17.0. Resultados: A média de idades era de 41 (desvio padrão 7,447595) e 54 (desvio padrão 4,516636) anos no grupo de mulheres saudáveis e de sobreviventes, respectivamente. 70 % das mulheres realizaram cirurgia associada a linfadectomia. 17% foram tratadas apenas com cirurgia. 39% foram submetidas a cirurgia seguida de quimioterapia (QT) e radioterapia (RT). Ao analisar os resultados obtidos no questionário SF-36, obtiveram-se diferenças estatisticamente significativas, relativamente à QdV percebida por mulheres saudáveis e sobreviventes, nas dimensões: Funcionamento Físico (p<0,001), Desempenho Físico (p<0,001) e Desempenho Emocional (p=0,023). Na avaliação das respostas obtidas pelo RSCL, constatou-se que as mulheres saudáveis possuem uma percepção mais positiva da sua QdV, relativamente ao seu nível de actividade (p<0,001). Não se identificaram diferenças estatisticamente significativas para as restantes dimensões. Conclusão: A nossa investigação evidência que as mulheres tratadas ao cancro da mama, e livres de doença activa, avaliam de forma positiva a sua QdV global, apesar das dificuldades sentidas no domínio físico.

Tipo de Documento Dissertação de mestrado
Idioma Português
Contribuidor(es) Cadete, Maria Alexandra da Silva
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Documentos Relacionados

Não existem documentos relacionados.