Detalhes do Documento

Velocidade crítica intermitente na natação : aplicação nas técnicas de crol e mariposa

Autor(es): Freitas, Tomás Miguel Marques de

Data: 2015

Identificador Persistente: http://hdl.handle.net/10400.5/10906

Origem: Repositório da UTL

Assunto(s): Natação pura; Velocidade Crítica; Velocidade Crítica Intermitente; Lactatemia; Performance; Operacionalização no treino; Swimming; Critical Velocity; Intermittent Critical Velocity; Operationalization in training; Domínio/Área Científica::Ciências Médicas::Ciências da Saúde; Domínio/Área Científica::Ciências Médicas::Ciências da Saúde; Domínio/Área Científica::Ciências Médicas::Ciências da Saúde


Descrição

A velocidade crítica (VC) é considerada um dos mais importantes parâmetros de avaliação da capacidade aeróbia, que está intimamente relacionada com os domínios de intensidade, na medida em que a VC corresponde à fronteira que dissocia o domínio pesado do severo. Já a velocidade crítica intermitente (VCI), abordada pela primeira vez em natação, aparenta situar-se no domínio severo de intensidade. O objetivo principal da investigação realizada foi fundamentalmente o de descobrir a aplicabilidade ou não da VCI na natação, uma vez que esta (VCI/PCI) começa a ser utilizada por modalidades como o ciclismo e a corrida (atletismo). Deste modo, pretendeu-se comparar a VCI com a VC (a crol), aplicando posteriormente a VCI numa série intervalada até exaustão a crol e duas a mariposa. Oito nadadores (idade: 17.6 ± 3.8 anos; altura: 173.8 ± 6.8 cm; massa corporal: 67.3 ± 8.2 kg) realizaram dois esforços máximos (200 e 400 m) a crol numa velocidade constante, calculando a VC, e depois recorreu-se às mesmas distâncias mas numa tarefa intermitente, através de 4 x 50 m e 8 x 50 m com 15 s descanso entre repetições, de modo a estimar a VCI, seguindo-se uma série intervalada de n x 50 m até exaustão, com 15 s pausa. O mesmo procedimento (com outros oito sujeitos, com idade: 18.63 ± 4.4 anos; altura: 173.1 ± 6.1 cm; massa corporal: 68.8 ± 6.3 kg) foi utilizado para estimar a VCI a mariposa, e a velocidade correspondente à VCI foi então utilizada em duas séries de treino intervaladas, com repetições de 50 m até exaustão, e com 15 e 30 s de pausa. A velocidade aeróbia máxima (VAM) foi considerada como correspondendo à velocidade média dos 300 m centrais do teste máximo de 400 m, e uma VAM intervalada (VAMint) aplicada à natação foi estimada através do teste de 8 x 50 m, retirando a primeira e a última repetição. A concentração de lactato sanguíneo, como a frequência de ciclo, foi analisada em todos os testes realizados Por um lado, percebeu-se que a VCI é significativamente superior à VC, representando 111.4% da VAM e 98.6% da VAM intervalada (VAMint) a crol, e 97.5% da VAMint a mariposa. Relativamente às séries até exaustão, a lactatémia evidenciou ter um comportamento distinto, sendo visível a mariposa na série com 15s pausa, uma constante ascensão do [La-], diferente de quando o tempo de repouso aumentou para o dobro (30s), ou da série a crol (com 15s de pausa), onde em ambos os casos após um ligeiro aumento, verificou-se uma manutenção e decréscimo na fase terminal. Acrescente-se que foi encontrada uma alta correlação entre parciais das provas de 200 m com a VCI, e com velocidades muito idênticas, para as duas técnicas. Pode concluir-se que a VCI pode vir a ser um instrumento de otimização do rendimento dos nadadores, nomeadamente nas provas de 200 metros, evidenciado ser um parâmetro de avaliação do desempenho nesta modalidade, não tanto aeróbio (como a VC), mas predominantemente demonstrativo da “fronteira” entre a potência aeróbia e a capacidade aeróbia.

Critical velocity (CV) is considered to be one of the most important parameters for assessing aerobic capacity in endurance athletes, thought to correspond to the boundary that demarcates the severe intensity domain from the heavy one. Instead, intermittent critical velocity (ICV) appears to be in the severe intensity domain and may help swimming coaches to prescribe training sets. The main goal of this research was to verify the use of ICV in swimming, following what has been studied in sports such as cycling and running by comparing ICV with CV in front crawl swimming and by determining exercise tolerance to fatigue at ICV intensity in intermittent exercises in butterfly swimming. Eight swimmers (age: 17.6 ± 3.8 years; height: 173.8 ± 6.8 cm; body mass: 67.3 ± 8.2 kg) underwent two maximal swims in front crawl at constant velocity of 200 m and 400 m to calculate CV and then used the same distances in an intermittent task of, respectively, 4x50m and 8x50 with 15 s rest between repetitions, to estimate ICV, followed by an interval set of n x 50 m until exhaustion with 15 s rest. The same procedure (another eigth swimmers, age: 18.63 ± 4.4 years; height: 173.1 ± 6.1 cm; body mass: 68.8 ± 6.3 kg) was used to estimate ICV in butterfly and swimming velocity corresponding to ICV was then used in two interval training sets with 50 m repetitions until exhaustion, with 15 s and 30 s rests. Maximal aerobic velocity (MAV) was considered to correspond to the average velocity of the central 300 m of the 400 m maximal swim and an interval swimming MAV (MAVint) was estimated from the 8 x 50 m swim, taking out the first and the last repetitions. Blood lactate concentration (with Lactate Pro Arkray – Blood Lactate Test Meter) and stroke frequency were measured in every testing situation. The results showed that ICV is significantly higher than the CV, representing 111.4% of MAV and 98.6% of MAVint in front crawl, and 97.5% of MAVint in butterfly. In the interval sets until exhaustion in butterfly with 15 s rest, a continuous rise of [La-] was observed, different from what happened when with the 30s rest interval set, or in front crawl, where, in both cases, after a slight increase there was a maintenance and then a decrease in the terminal phase. In addition, it was found a high correlation between lap times of the 200 m race pace and the ICV, corresponding to very similar speeds, both in front crawl and in butterfly. We concluded that ICV might become a performance optimization tool for swimmers, particularly in tests/races of 200 meters, evidencing to be a performance measurement parameter in swimming, predominantly demonstrative of the “boundary” between the aerobic power and aerobic capacity.

Tipo de Documento Dissertação de mestrado
Idioma Português
Orientador(es) Alves, Francisco José Bessone Ferreira
Contribuidor(es) Freitas, Tomás Miguel Marques de
facebook logo  linkedin logo  twitter logo 
mendeley logo

Documentos Relacionados

Não existem documentos relacionados.